fbpx

Ter para ser VS. Ser para ter

Quatro formas de trabalhares a tua abundância

Qual é o segredo para ter uma vida abundante?
Tenho a certeza que já fizeste muitas vezes esta pergunta! Claro que tu, tal como eu, tal como toda a gente, que ter uma vida abundante.

E se eu te dissesse que isso depende mais do teu estado de espírito do que de outra coisa qualquer? Deves estar a pensar: “Agora é que ela se passou…, então a minha abundância depende do meu estádio de espírito? Eu quero é ter a abundância que o Bill Gates tem!”.
Sim, tem calma, respira fundo que vou explicar-te tudo.

Mas vou começar por te contar uma história. Já não me lembro exatamente onde a li, acho que foi num livro que li há bastantes anos. Não me lembro qual livro foi, mas lembro-me da história porque me marcou bastante na altura. Aqui vai.

Era uma vez um homem que andava em busca do segredo para ter uma vida abundante. Falaram-lhe de um mestre, que vivia no topo de uma montanha, que era a pessoa que em maior abundância vivia. Ao ouvir isto o homem decidiu vender tudo o que tinha, ficar apenas com aquilo que conseguia transportar numa mochila e pôr-se a caminho para conhecer esse mestre e com ele aprender o segredo para se ser abundante.

À medida que ia fazendo o caminho ia imaginando o esplêndido palácio onde este mestre vivia; a quantidade de criados que não deveria ter; a imensa biblioteca, cheia de livros com os mais valiosos ensinamentos; a coleção de carros magníficos. Quanto mais caminhava mais na sua cabeça ia crescendo todos os bens maravilhosos que o mestre deveria ter.

Até que chegou o dia em que finalmente o homem chegou à casa do mestre.

A recebê-lo encontrou um homem de sorrido largo, olhos brilhantes e uma simpatia que aconchegava a alma.

Mas o homem ficou completamente desiludido, pois encontrou uma casa bastante pequena, com apenas dois quartos, uma pequena cozinha e uma casa de banho. Num dos quartos havia uma cama, uma mesa de cabeceira e uma pequena cómoda; no outro quarto havia uma mesa, duas cadeiras, um sofá e uma pequena estante com alguns livros.

O homem não se aguentou e perguntou ao mestre:

– Como é que é possível tu ser tido como a pessoa que em maior abundância vive e não teres praticamente nada?

Ao que o mestre lhe respondeu:

– Tu também só tens essa mochila.

– Sim, mas eu estou aqui de passagem. – disse o homem.

– Eu também! – respondeu-lhe o mestre.

Grande chapada de luva branca, foi o que eu senti quando li esta história, mesmo assim daquelas bem dadas!

Pois é, a abundância não tem nada a ver com a quantidade de “coisas” que temos.

A abundância está dentro de ti e não no exterior. É um estado de espírito, que inclui felicidade, paz de espírito, amor, saúde, bons relacionamentos e também bens materiais. É sentires que, no fundo, tens uma vida plena e isso pode-se materializar de formas diferentes para diferentes pessoas. Por isso é que há pessoas que não têm bens materiais quase nenhuns, mas sentem-se extremamente abundantes.
E é por isso que muitas pessoas têm tudo o que o dinheiro pode comprar, mas continuam insatisfeitas e continuam sempre à procura de mais. Porque não sentem felicidade, não sentem paz de espírito, não sentem amor.

“Sim Alda, isso é tudo muito bonito, mas como é que eu consigo sentir-me abundante?”
Calma! Respira fundo… Vou falar-te de QUATRO FORMAS para trabalhares a tua abundância.

A primeira coisa a fazer é RECONHECER tudo o que tens. Quando eu digo “tudo”, é reconheceres mesmo TUDO.

Por exemplo, se estás a ler isto é porque tens um telemóvel, ou um computador, ou tablet. É porque tens acesso à internet (não interessa se tens dados ou wifi, se estás na tua casa, ou tens no teu trabalho. O que interessa é que tens acesso à inernet!) e tens eletricidade. Acredito que já tenhas tomado um banhinho quente hoje, por isso tens água e forma de a aquecer. Também já deves ter comido qualquer coisa, tens comida.
E podia continuar a listar a quantidade de coisas que tens. RECONHECE-AS!

A seguir, o que tu podes fazer é AGRADECER.
Agradecer tudo o que tens. E se o exemplo acima ainda não te convenceu do quanto és abençoada(o) por teres imensas coisas, vou dar-te mais uns exemplos!
Agradece teres um sítio abrigado para dormir, uma cama, um colchão, cobertores quentinhos para te aquecer, uma almofada fofinha onde pousar a cabeça.
Agradece teres roupas lavadas para vestir (isto incluiu agradecer teres forma como as lavar!), sapatos para calçar. E lembra-te que há 4 estações por ano, por isso agradece teres roupa quente e roupa fresca.
Agradece teres acesso à educação e saberes ler, escrever, fazer contas.
Agradece a todas as pessoas que já se cruzaram contigo na vida, pois trouxeram-te oportunidades de aprendizagem.
E mais uma vez podia continuar aqui com uma lista imensa!

Outra coisa que podes fazer para teres abundância é DOARES-TE.
“O quê Alda, doar-me?!”
Sim, isso mesmo. Dares de forma genuína sem estar à espera de algo em troca.
E há tantas formas de o fazer, tantas! Pode ser dares dinheiro ou bens para uma instituição, ou dares tempo para uma instituição. Pode ser dares atenção à colega que precisa de falar e desabafar; ajudares um amigo em alguma coisa que precise; fazeres as compras à vizinha velhinha; ou tomares conta do bebé pequenino da amiga para ela dormir; abraçar alguém que está a precisar de afeto.
É só estares com atenção ao que te rodeia que tenho a certeza que encontras dez mil formas de te doares.

Por último, trabalha o teu MERECIMENTO.
Só quando sentires que mereces é que vais ter! Sim, é isto mesmo que estás a ler.
Nunca te aconteceu quereres muito, muito uma coisa, e quando estás quase a alcançá-la vai tudo por água a baixo? É porque no fundo, dentro de ti, não sentias que merecias.
O merecimento tem muito que se lhe diga! A maior parte das vezes começa logo a ser castrado quando ainda somos crianças. Muitas vezes para sermos merecedores do carinho dos nossos pais precisamos de ter boas notas, o quarto arrumado, portarmo-nos bem, etc. etc. Depois vem a sociedade, a dizer-te que se queres ter amigos tens de fazer igual a eles, se queres ter sucesso tens de trabalhar de sol a sol, etc., etc.
Mas não comeces a culpar já os teus pais ou a sociedade por não te sentires merecedor(a) e não teres o que desejas! Os teus pais fizeram o melhor que podiam com o conhecimento e consciência que tinham; a sociedade é o que é (como eu costumo dizer ao meu filho, lá porque todos fazem tu não tens de ir fazer. Se todos se atirassem da janela tu também te atiravas?).
Hoje em dia estás crescidinha(o) o suficiente para trabalhares a tua consciência de merecimento. Sim, porque só tu podes trabalhar a tua noção de merecimento, mais ninguém o pode fazer por. Podem ajudar (e a maior parte das vezes o melhor é mesmo pedir ajuda, pois esta questão do merecimento tem muito que se lhe diga), mas quem vai ter de pôr as mãos na massa és tu!

 

A abundância, o sentires-te abundante, está intimamente relacionado com estas quatro questões.
Quando te sentires abundante vais sentir-te realizada(o), sentires que tens uma vida plena, sentires-te conectada(o) contigo, com a tua verdade e a tua essência. E aí sim, vais sentir que tens direito a ter tudo de bom que a Vida tem para te dar.

Se quiseres conta-me como sentes que está a tua abundância e o teu sentimento de merecimento. Estou aqui para te ajudar!